TV marroquina ensina a ocultar sinais de violência doméstica

Emissora pediu desculpas e prometeu punir os envolvidos

Publicado em 29/11/2016
TV marroquina ensina a ocultar violência doméstica com maquiagem

O número de tutoriais de maquiagem tem crescido consideravelmente. Neles, as maquiadoras ensinam diversas técnicas e dão dicas que facilitam a tarefa de se maquiar sozinha em casa. Porém, um desses tutoriais está deixando as mulheres do mundo todo revoltadas.

Na última quarta-feira (23), o canal marroquino 2M apresentou uma maquiadora ensinando a disfarçar marcas de violência doméstica em uma modelo com manchas falsas no rosto. “Esperamos que essas dicas de beleza sejam úteis para seguir com seu dia a dia”, disse a apresentadora do programa.

Obviamente, o conteúdo causou muita polêmica e fez com que as pessoas se manifestassem nas redes sociais afirmando que o programa estava normalizando e banalizando as agressões sofridas diariamente por mulheres, fazendo com que elas achassem que a prática é normal e aceitável, e que devem apenas escondê-las.

Segundo o site do jornal britânico Independent, um grupo de mulheres se organizou e criou uma petição exigindo um pedido de desculpas e sanções contra a emissora. “Como mulheres marroquinas e como ativistas feministas em Marrocos, e em nome de todos os marroquinos, denunciamos a mensagem de naturalização da violência contra as mulheres. A violência não deve ser coberta pela maquiagem e os agressores têm de ser condenados”, escreveram.

Após a polêmica, o canal removeu o vídeo de seu site e escreveu uma nota de esclarecimento em sua página do Facebook, pedindo as mais sinceras desculpas e afirmando que o quadro foi “completamente inadequado e um erro editorial de julgamento, dada a sensibilidade e a gravidade da questão da violência doméstica”. 

As ativistas não ficaram satisfeitas e consideraram as desculpas inadequadas, tendo em vista que muitos dos que assistiram ao segmento e que poderiam ser afetados pela violência doméstica poderiam ser analfabetos e incapazes de ler a declaração. Dessa forma, o canal transmitiu um pedido de desculpas ao vivo e prometeu entrar com um processo contra os responsáveis pela decisão, produção e exibição do quadro. Para deixar a situação ainda mais incômoda, o tutorial foi ao ar dois dias antes do Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher.

Foto: Reprodução