Time's Up arrecada R$ 65 milhões em um mês

Valor será destinado a ajudar vítimas de assédio sem condições financeiras

Publicado em 06/02/2018
Mulheres do Time's Up no painel da Makers

Nesta segunda-feira (5) representantes do Time's Up se reuniram em um painel na Makers Conference para anunciar as novidades do movimento. Criada em janeiro por profissionais de Hollywood para denunciar o assédio sexual na indústria do cinema, a iniciativa vem fazendo barulho para desconstruir a cultura machista ainda tão presente na área.

Com moderação da roteirista Ava Duvernay, o painel contou com a participação das atrizes Rashida Jones, Katie McGrath e Natalie Portman, além da agente Maha Dakhil, da diretora Melina Matsoukas, da comediante Jill Soloway e das advogadas Nina Shaw e Tina Tchen

Tina, que atuou como assessora de Michelle Obama e hoje é responsável pela área jurídica do Time's Up, comentou que a ideia da iniciativa não é somente provocar debates, mas também agir, na prática, contra o assédio. “Nós não queríamos ser um grupo de pessoas que se reúnem para falar sobre mudanças, nós queremos ser parte desta mudança."

Como parte da mudança, o ponto de maior destaque que elas levaram ao painel foi a revelação do levantamento de 20 milhões de dólares (cerca de R$ 65 milhões) para o fundo do Time's Up, que oferece amparo jurídico a vítimas de assédio que não possuem condições financeiras de arcar com as despesas legais para processar os abusadores. Elas ainda informaram que, até agora, mais de 1 mil mulheres já procuraram ajuda da ação.

Durante o painel, elas ainda explicaram que o movimento surgiu não apenas como uma resposta às denúncias em Hollywood mas, também, que a motivação para a iniciativa veio antes, com a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos.

A Makers Conference teve transmissão ao vivo na internet e, quem perdeu, pode conferir o painel completo abaixo:

Foto: Reprodução/YouTube Makers