SPFW: 4 momentos de inclusão e diversidade

Embora fossem minoria, algumas marcas se preocuparam com a representatividade

Publicado em 31/08/2017
SPFW: 4 momentos de inclusão e diversidade

Foi encerrada nesta quinta-feira (31) a 44ª edição da São Paulo Fashion Week, o maior evento de moda brasileira, que reuniu, durante cinco dias, 35 grifes nacionais e convidadas que desfilaram suas novas coleções na Fundação Bienal de São Paulo, no Parque Ibirapuera.

Além de tendências, algumas passarelas foram marcadas pela diversidade e inclusão, que começaram pela ação paralela #TodaBelezaPodeSer, lançada no dia 21 de agosto. A iniciativa, encabeçada pela Natura, que assinou a beleza de todos os desfiles da SPFW, movimentou as redes sociais durante o evento com o objetivo de mostrar a pluralidade da beleza por meio de postagens de internautas com a hashtag. Até a tarde desta quinta, só no Instagram mais de 3 mil imagens foram publicadas apoiando a ação. 

Para completar o clima proposto, o Bar de Batom reuniu alguns momentos que marcaram a SPFW agregando, também, a pluralidade nas passarelas e coleções. Confira:

Scala lança 'Meu tom, minha beleza' 

SPFW: 4 momentos de inclusão e diversidade

Questionando o conceito da cor nude, a Scala lançou na SPFW a campanha Meu tom, minha beleza, com sete tons diferentes de lingerie para representar a "cor de pele". Uma iniciativa semelhante à de marcas de esmaltes e também de grifes internacionais como Christian Louboutin e Naja.

Mas o lançamento da Scala também foi marcado pela diversidade na escolha das modelos da nova coleção, que são a transexual Alina Dorzbache, a DJ cheia de tatuagens Ammie Graves, a estilista Camila Guimarães, que enfrentou o tratamento de um câncer, além das modelos negras Luiza de Alexandre e Aisha Bikila, e das irmãs Tracie e Tasha Okereke, idealizadoras de projetos voltados ao empoderamento das mulheres negras. "É muito bom poder chegar no mainstream e poder representar, sendo quem eu sou, uma menina preta da favela", disse Tasha à revista Elle.

LAB desfila liberdade com MC Carol

SPFW: 4 momentos de inclusão e diversidade

A marca dos rappers e irmãos Emicida e Fióti, LAB Fantasma, desfilou peças da coleção Avuá, que apostou no estilo das ruas e foram totalmente inspiradas pela liberdade e simplicidade. O auge do desfile foi a participação de MC Carol como modelo, que adentrou a passarela com uma coroa.

A marca ainda teve no evento seu primeiro cypher com a participação dos artistas que encabeçam a grife - Emicida, Kamau, Drik Barbosa, Coruja BC1, Fióti e Rael.

Contudo, infelizmente, um episódio racista marcou o evento também. Horas depois do desfile de sua marca, Fióti publicou em seu Facebook que foi barrado por um segurança. "Ser preto é ser barrado pelo segurança do evento até mesmo quando é da sua marca e com pulseira", escreveu o rapper. De acordo com comunicado emitido pela SPFW, foram tomadas medidas junto à empresa de segurança e, a pedido de Fióti, a identidade do funcionário envolvido foi preservada.

Ronaldo Fraga democratiza a moda praia

SPFW: 4 momentos de inclusão e diversidade

O desfile do estilista mineiro Ronaldo Fraga foi marcado pela democratização do beachwear. Estreando na moda praia, a coleção As praias desertas continuam esperando por nós dois trouxe peças inspiradas nos anos 1920 destinadas para jovens, idosos, magros e gordos. 

"Se tem uma coisa que o Brasil aprendeu é que a praia é um espaço democrático. Teve um tempo em que colocar pessoas normais na passarela não vendia. Mas é no que eu acredito", declarou Fraga ao Globo.

Na passarela, a modelo plus size Fluvia Lacerda estreou na SPFW desfilando pela marca, que contou com a participação também de modelos com próteses nas pernas e da terceira idade.

O estilista aproveitou a ocasião ainda para protestar contra o decreto do presidente Michel Temer, suspenso pela justiça, que extinguia uma reserva mineral na Amazônia. "Mr. Presidente, se você não pensa no Brasil, pense nos netos do Michelzinho", dizia a camiseta usada por Fraga. "O momento político pede que as pessoas não fiquem só no Facebook, nas redes sociais. Elas precisam ir para as ruas", declarou também o estilista no final do desfile.

Gloria Coelho traz mulheres maduras em seu desfile

SPFW: 4 momentos de inclusão e diversidade

Entre modelos e artistas famosas, a estilista Gloria Coelho contou com mulheres mais maduras para desfilar sua nova coleção, incluindo suas próprias amigas. “Eu quis mostrar que há beleza em todas as idades. Tem mulheres de 30, 50, 70", disse Gloria à revista Elle. "Eu era obcecada pela jovialidade, mas estou em outro momento, percebi algumas coisas”.

A estilista, que está com 66 anos, quis reforçar o conceito de que moda não tem idade em roupas que foram inspiradas na série da Netflix The Crown, sobre a vida da Rainha Elizabeth II. "Eu uso transparências em festas, a música que está tocando é a que eu ouço, e tem muita gente mais nova que nem conhece essa música. Não existe isso de idade", declarou ainda à Elle durante o backstage do desfile. 

Fotos: Divulgação/Facebook/AFP/Miguel Schincariol