Plataforma cria internet segura para as mulheres

Projeto "Conexões que Salvam" foi desenvolvido pela Think Olga e Facebook

Publicado em 18/05/2018
ilustração colorida de uma mulher sentada na frente de um computador

Segundo informações da ONU, cerca de 70% de meninas e mulheres que acessam a internet já sofreram algum tipo de violência online - ameaças, perseguição ou intimidação. Por conta disso, a ONG Think Olga juntou forças com o Facebook e criou uma plataforma especial de segurança online para mulheres. "Conexões Que Salvam" fornece orientações tanto para quem sofre uma violência quanto para quem quer ajudar a construir uma internet mais segura.  

A plataforma surgiu de uma vontade grande que já tínhamos de falar sobre violência online contra mulheres (afinal, com todo o nosso histórico, isso é algo que sofremos muito) com a necessidade do Facebook de também abordar esse assunto. Já existia essa parceria das duas instituições e, juntos, fizemos todo um estudo de como os outros países da América Latina estavam tratando o tema, até chegarmos no Conexões Que Salvam”, explica Débora Albarello, do Think Olga, em entrevista para o site da revista Cosmopolitan.

"Conexões Que Salvam" conta com teste para ver se você já sofreu violência online, passo a passo de como denunciar a violência sofrida e informa também redes de apoio para mulheres que sofrem com ameaças ou situações vexatórias.

“O site é muito importante para a vítima, para que ela possa ir até ele e entender se realmente sofreu uma violência e como agir diante dela, e também para falar com a rede como um todo, já que qualquer pessoa pode ser um agente contra essa violência. Acreditamos muito que sim, a informação é muito preciosa, mas também é importante que a rede no entorno esteja muito bem informada“, reforça Débora.

E lembre-se, ninguém é anônimo na internet e o agressor pode sim ser punido por seus atos. "Algumas violências são mais explícitas do que outras, mas muitas ainda são difíceis de identificar e sem correspondência específica na lei. Porém, assim como as agressões e assédios do mundo real, a violência online também tem consequências. Seus direitos offline não deixam de valer quando você está usando a internet", afirma o site. 

A melhor solução para se proteger no universo online ainda é se preservar. Dessa forma, a plataforma dá dicas de como se manter seguro nas redes sociais. "Não aceite solicitações de amizade nas suas plataformas digitais quando elas vierem de pessoas que você não tem referência na vida real, que você não conhece ou que não tenham nenhum amigo em comum. Verifique as configurações de privacidade nas suas plataformas digitais. De preferência, mantenha o seu perfil fechado, permitindo acesso apenas para pessoas que façam parte da sua rede de amigos. Não alimente os haters. Não compartilhe ou interaja com um conteúdo violento. Esse tipo de interação, além de expor a vítima, também fortalece o agressor."

Para conhecer melhor a iniciativa, acesse a plataformaNão esqueça de divulgar essas informações para mulheres próximas a você. 

Foto: Divulgação/Conexões Que Salvam