ONU pinta monumentos de laranja pelo fim da violência

Ação marca os '16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres'

Publicado em 23/11/2017
Cristo Redentor iluminado de laranja

A cor laranja vai passar a iluminar cartões postais brasileiros pedindo o fim da violência contra a mulher. Para esta sexta-feira (24) o Palácio Buriti, em Brasília, deve ser iluminado com o tom, enquanto no sábado (25) o Elevador Lacerda, em Salvador, e o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, ganham a cor. A iniciativa marca a adesão à campanha global Pinte o Mundo de Laranja pelo Fim da Violência contra as Mulheres, coordenada pela ONU Mulheres pelo quarto ano consecutivo.

A escolha da cor se deu pela representatividade. “A cor laranja é vibrante e otimista e representa um futuro livre de violência. Foi adotada como um símbolo da campanha do secretário-geral das Nações Unidas UNA-SE Pelo Fim da Violência contra as Mulheres e da estratégia do Dia Laranja, celebrado no dia 25 de cada mês", declarou Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres Brasil, ao site da entidade.

O lema deste ano é “Não deixar ninguém para trás: acabar com a violência contra as mulheres e meninas”. Para isso, a ONU vem chamando a atenção da população apresentando os novos dados da Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, divulgados nesta quinta-feira (23) na Casa da ONU.

Entre as informações levantadas, está o registro alarmante que uma em cada cinco mulheres do nordeste brasileiro foi vítima de violência doméstica na infância ou na adolescência. 

16 Dias de Ativismo

A iniciativa faz parte da campanha global 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres. No Brasil, a mobilização começou um pouco antes, no dia 20 de novembro, no Dia da Consciência Negra, e segue até 10 de dezembro.

Até lá, outros cartões postais mundiais devem ganhar a cor laranja também, como o Fortune Financial Centre, em Pequim (China), Montanha da Mesa, na Cidade do Cabo (África do Sul), e o Palácio de Belas Artes, na Cidade do México (México). As atividades da iniciativa podem ser acompanhadas no Facebook da ONU Mulheres.

Foto: Reprodução/Instagram