Mostra incentiva mulheres a seguir carreira matemática

Homenagem vai para Maryam Mirzakhani, única a ganhar a Medalha Fields

Publicado em 01/08/2018
imagem de Maryam Mirzakhaniolhando fixamente para a câmera, de maneira série e profunda

Hoje existe um grande movimento para mais mulheres seguirem carreiras na área de exatas. Esse também é um dos objetivos da professora Thaís Jordão, curadora da exposição Maryam Mirzakhani Memorial, uma homenagem à única mulher a ganhar a Medalha Fields, a maior honraria da matemática

A professora Thaís, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, explica a importância de realizar essa homenagem. “O fator principal é dar maior visibilidade para a primeira mulher na história a receber uma Medalha Fields. Muitos matemáticos, ao prestigiarem a exposição, vão se identificar com os diferentes estágios da vida de Maryam, que aparecem nas peças. O público vai entender também que, além de uma genialidade, tudo é fruto de muito trabalho e esforço.”

A exposição foi uma das atrações do Encontro Mundial para Mulheres em Matemática (WM), que aconteceu no último dia 31 de julho, no centro de convenções e eventos Riocentro, no Rio de Janeiro. E também estará  presente no Congresso Internacional de Matemáticos, o ICM 2018 (International Congress of Mathematicians), que começa hoje e vai até 9 de agosto, também no Riocentro.

A mostra é uma iniciativa do Comitê para Mulheres em Matemática da União Matemática Internacional. Em 13 de agosto de 2014, a iraniana Mirzakhani foi homenageada com a Medalha Fields, o mais prestigiado prêmio de matemática do mundo. Ela foi professora da Universidade de Stanford e fez uma série de contribuições marcantes para a geometria e sistemas dinâmicos. Seu trabalho preenche várias disciplinas, incluindo geometria hiperbólica, análise complexa, topologia e dinâmica.  No dia 14 de julho de 2017, Mirzakhani morreu de câncer de mama aos 40 anos de idade.

Foto: Divulgação/Pinterest