Jessica Wade inclui uma cientista por dia na Wikipédia

Britânica ajuda a divulgar mulheres ignoradas pela ciência

Publicado em 19/07/2018
Jessica Wade sorrindo e segurando um robozinho

Qual é a melhor forma de incentivar que mais mulheres se aproximem do universo da ciência? A pesquisadora de física do Reino Unido Jessica Wade acredita que a visibilidade é o primeiro passo. Ela encontrou uma forma criativa para promover e colocar em evidência nomes ignorados pela história: escreve páginas da Wikipédia sobre cientistas do sexo feminino. Uma por dia.

Wade já soma várias centenas de nomes de mulheres do ramo. Ela busca informações em arquivos de instituições científicas, passa horas no Twitter, frequenta conferências, tudo para encontrar as mulheres ignoradas da ciência, vivas ou mortas. A cada 100 biografias da Wikipédia em inglês, só 17 são de mulheres. “Mas esses 17% não são só da ciência. Em ciências, onde as mulheres por si só já estão pouco representadas, é muito pior”, denuncia em entrevista ao El País.

Entre os os nomes favoritos da pesquisadora estão o da jornalista Susan Goldberg, primeira editora da revista National Geographic em 100 anos; a matemática Gladys West, considerada a "Primeira-Dama do GPS"; e a astrofísica Jo Dunkley, ganhadora do prêmio Rosalind Franklin, da Royal Society.

Wade cursou graduação e mestrado no Imperial College de Londres, onde agora trabalha no estudo da eletrônica dos polímeros. “Quando comecei a fazer minha tese de doutorado, era a única garota no grupo de pesquisa. Minha melhor amiga se pós-graduou e para mim de repente ficou muito difícil continuar na universidade que eu amava tanto sem uma rede de apoio. Foi então que percebi que isso deve acontecer com todas as mulheres em todos os departamentos, quando não tem essa melhor amiga”, recorda a jovem pesquisadora.

Ela conta que criar páginas da Wikipédia sobre cientistas mulheres é um movimento global. Mas a sua real inspiração foi a iniciativa da estudante de medicina norte-americana Emily Temple-Wood, que começou a editar a Wikipédia aos 12 anos. A atitude da jovem aconteceu como forma de protesto após receber uma onda de comentários misóginos, por e-mail e por redes sociais. Para cada mensagem abusiva que recebia, ela escrevia sobre uma nova pesquisadora. Em pouco tempo, ela elevou a qualidade de artigos biográficos sobre cientistas, fenômeno  batizado de efeito Keilana, em homenagem ao nome de usuária de Temple-Wood.

Já pensou em escrever para a Wikipédia?

A Wikipédia é livre e qualquer um pode editar, mesmo sem registro de usuário. Para incentivar a produção, Wade organiza wikithons regulares. São eventos onde as pessoas de uma sala editam a enciclopédia em grupo, normalmente durante uma ou duas horas. “Você só precisa de um computador, uma pessoa que entenda a Wikipédia e um grupo de gente motivada a fazer o bem”, diz a física londrina.

Foto: Divulgação/Imperial College de Londres