'Curso de moral para mulheres' é suspenso na China

Objetivo das aulas era ensinar mulheres a ser submissas

Publicado em 05/12/2017
Mulheres chinesas sorrindo

As autoridades chinesas suspenderam um "curso de moral para mulheres" após a divulgação de um vídeo polêmico com uma de suas aulas. "As mulheres têm que falar menos, limpar mais e se calar", ensina uma professora a um grupo de estudantes, na publicação que se tornou viral nas redes sociais.

"As mulheres não deveriam se esforçar para subir na escala social, e sim ficar sempre no nível mais baixo. Se você encomenda comida ao invés de cozinhá-la, está desobedecendo as regras das mulheres", continua o discurso da instituição, que ficava em Fushun, na província de Liaoning, no nordeste da China.

De acordo com publicação do Global Times, as aulas começaram em 2011 por iniciativa da Associação de Pesquisa sobre a Cultura Tradicional de Fushun, para defender os valores de obediência e conservadorismo.

Segundo o Departamento de Educação de Fushun, a escola foi fechada pois "os ensinamentos foram contra os valores fundamentais socialistas". A Prefeitura de Fushun ainda afirmou que as aulas começaram sem o aval das autoridades.

Confira os vídeos do Bar de Batom no YouTube

O vídeo controverso publicado no site Pear Video mostra que as mulheres que "estudaram" no instituto foram obrigadas a levantar-se às 4h30 da manhã para realizar oito horas de tarefas domésticas sob a supervisão de seus tutores. 

Outra orientação que foi dada a elas é que não revidassem caso fossem violentadas, nunca argumentassem ou discutissem com seus maridos e nem se divorciassem. "Não importa o que seu marido peça, sua resposta sempre deve ser: 'Sim, agora mesmo'", afirma um professor no vídeo.

Os docentes também impunham teorias fantasiosas com a intenção de provocar medo nas alunas. Nas imagens, um deles aparece afirmando que, se uma mulher fizer sexo com mais de três homens, o esperma se torna venenoso e pode matá-la.

Ainda segundo a publicação, vários funcionários da escola protestaram contra seu fechamento, afirmando que o vídeo não representa de forma correta o trabalho da instituição. "A escola foi aberta por sete ou oito anos, e é gratuita. As pessoas que recebem uma educação aqui estão sempre gratas a nós", disse um funcionário apelidado de Chai.

Diversas escolas que ensinam "virtudes femininas tradicionais" surgiram nos últimos anos na China. Propagando cada vez mais valores machistas, esses locais estão distantes de promover a igualdade de gênero.

Foto: Pixabay