Atrizes se manifestam contra produtor acusado de assédio

Hollywood: Harvey Weinstein assediou pelo menos 8 mulheres ao longo de décadas

Publicado em 09/10/2017
Logo The Weinstein Company

"Indesculpável", assim Meryl Streep definiu as acusações de assédio sexual contra o produtor de cinema Harvey Weinstein. No domingo (8), o magnata de Hollywood foi demitido de sua própria companhia, a The Weinstein Company, após denúncias contra ele, de cerca de oito mulheres, entre atrizes e funcionárias, terem vindo a público em uma reportagem do The New York Times.

Em resposta ao crime, Meryl enviou uma declaração ao Huffpost condenando o comportamento de Weinstein e enaltecendo as mulheres que falaram sobre os assédios, chamando-as de "heroínas". Ela também deixou claro que não sabia sobre as ocorrências.

"Nem todos sabiam. Harvey apoiou o trabalho com ferocidade, foi incômodo, mas respeitoso, comigo em nossa relação de trabalho e com muitas outras com quem ele trabalhou profissionalmente. Eu não sabia sobre essas outras ofensas", escreveu a atriz referindo-se a episódios como os mencionados por Ashley Judd, uma das vítimas, que afirmou que o produtor a chamou para "reuniões" em seu quarto de hotel, onde ficou se insinuando.

"Cada voz corajosa que é criada, ouvida e creditada pelos nossos meios de vigilância irá finalmente mudar o jogo", escreveu ainda Meryl em sua declaração, reforçando que dar voz às mulheres é uma das formas mais poderosas de combate e mudanças.

Glenn Close critica cultura machista do cinema

Glenn Close

Glenn Close foi mais uma que se manifestou, criticando a cultura machista ainda presente na indústria cinematográfica. "Estou com raiva, não apenas com ele e com a conspiração de silêncio em torno de suas ações, mas também com o fenômeno do 'teste de sofá', por assim dizer, que ainda é uma realidade no nosso negócio e no mundo: a horrível pressão, a horrível expectativa colocada sobre uma mulher quando um agressor poderoso, egoísta e intitulado espera favores sexuais em troca de um emprego".

Ela completou que, como os papéis de destaque em produções são muito mais de homens do que de mulheres, isso também abre espaço para que as atrizes se sintam mais vulneráveis a manipulações. Com isso, ela defendeu que as mudanças devem ser estruturais, em todas as relações de trabalho, até para "criar uma nova cultura de respeito, igualdade e capacitação, onde os agressores e seus facilitadores não possam mais prosperar".

Assim como Meryl, Glenn também elogiou as mulheres que denunciaram Weinstein e reforçou sua torcida para que novas histórias venham a público e as mudanças aconteçam.. "Eu aplaudo a coragem monumental das mulheres que falaram. Espero que suas histórias e as reportagens que lhes deram voz representem um ponto de inflexão".

Judi Dench e ainda os atores Kevin Smith, Judd Apatow e Mark Ruffalo também engrossaram as vozes contra os atos cometidos pelo produtor, classificando os crimes como vergonhosos. Após o escândalo e a demissão, Harvey Weinsten pediu desculpas publicamente e afirmou que espera ter uma "segunda chance". 

Fotos: Divulgação/Facebook