5 livros para conhecer as ideias de Simone de Beauvoir

Obras abordam seus pensamentos feministas, filosóficos e políticos

Publicado em 11/01/2018
Simone de Beauvoir

Certamente, você já deve ter ouvido falar em Simone de Beauvoir, uma das filósofas e feministas mais importantes da nossa história. Esta semana, dia 9 de janeiro, a francesa completaria 110 anos e, mesmo com a maturidade de suas obras, os seus conceitos se demonstram atuais e muito importantes para a compreensão da nossa realidade social e política. 

Se você sempre desejou iniciar a leitura de alguma obra de Simone de Beauvoir, mas está em dúvida sobre qual título escolher, o Bar de Batom selecionou cinco que irão te iniciar no universo da escritora e farão você começar 2018 se aprofundando em novas causas.

Confira nossa lista:

'Por uma moral da ambiguidade' (1947)

Capa "POR UMA MORAL DA AMBIGUIDADE" (1947)

Nesta obra, é possível encontrar as raízes éticas da futura teoria feminista de Simone de Beauvoir. Basicamente, Por uma moral da ambiguidade discute a liberdade, tanto na sua forma positiva como negativa. Sobretudo no que diz respeito à ideia de que a liberdade humana depende da liberdade de todos para ser efetiva.

'Os Mandarins' (1954)

Capa de "OS MANDARINS" (1954)

Romance existencialista, Os Mandarins descreve a atmosfera política francesa entre 1944 e 1948: as repercussões da guerra, a agitação intelectual, a corrupção moral e os dilemas e dúvidas da esquerda. Uma síntese do pensamento progressista, por isso bastante atual, principalmente diante do crescente fascismo que vem invadindo o mundo nos últimos anos.

Confira os vídeos do Bar de Batom no YouTube

'O segundo sexo' (1949)

Capa de "O SEGUNDO SEXO" (1949)

O segundo sexo traz reflexões de Simone de Beauvoir sobre as construções sociais produzidas em torno da figura feminina: desde fatos e mitos até as dimensões sexual, psicológica, social e política da mulher. A obra é pioneira nos estudos sobre as mulheres e se tornou referência para as feministas dos anos 1970.

'A mulher desiludida' (1967)
 

Capa de "A MULHER DESILUDIDA" (1967)

Narrado em forma de diário, A mulher desiludida traz três histórias com temas como solidão, velhice, culpa e ingratidão. As personagens percebem que os seus universos, aparentemente seguros, começam a desmoronar. Aturdidas, elas perdem até mesmo a noção de sua identidade real. Apesar de ter mais de 50 anos, este livro ainda consegue demonstrar uma realidade semelhante à das mulheres nos dias atuais. 

'Memórias de uma moça bem-comportada' (1958)

Capa de "MEMÓRIAS DE UMA MOÇA BEM-COMPORTADA" (1958)

Em Memórias de uma moça bem-comportada conhecemos a infância e a juventude de Simone de Beauvoir. No início do século XX, ela vive em uma família da classe média parisiense, é arredia e tem ataques súbitos de irritação. Depois, quando se entrega à fé religiosa, se acalma e torna-se um exemplo de filha e estudante. Mas ainda jovem vê as incongruências da religião católica, e sua formação intelectual toma outro rumo. Esse caminho culmina na transformação de Simone ao adotar a filosofia existencialista, o feminismo e se tornar uma brilhante escritora.

Fotos: Divulgação