4 cantoras feministas que estão revolucionando a música

Karina Buhr é uma que mistura ritmo e letras poderosas

Publicado em 18/01/2018
Karina Buhr

Karol Conka e Elza Soares explodiram em 2017, revelando letras poderosas e cheias de representatividade, que apoiam as lutas feministas. Em 2018, elas já começaram com tudo, inclusive Elza aproveitou os primeiros dias do ano para revelar o lançamento do seu novo disco, Deus é mulher. Mas, além delas, outras garotas veteranas e novos talentos estão se destacando para dar voz à causa e bombar em 2018.

De norte a sul, do reggae ao rock, elas utilizam suas vozes para discutir responsabilidade social, racismo, machismo e política. Confira 4 cantoras feministas escolhidas pelo Bar de Batom para colocar na sua lista do Spotify:

Iza

Iza é o nome da vez no cenário pop. Seu maior hit, Pesadão, feito em parceira com Marcelo Falcão, é sucesso nas rádios nacionais desde 2017. Este ano, ela deve ganhar mais espaço no cenário musical, por sua voz poderosa - ela canta demais! - e letras que contribuem com mensagens de representatividade, denunciando o machismo e racismo. 

Confira os vídeos do Bar de Batom no YouTube

Dua Lipa

Com estilo bastante peculiar e cheio de atitude, Dua Lipa é uma estrela em ascensão na música internacional. New Rules e IDGAF são verdadeiros hinos, não só porque têm uma batida pop e gostosa de dançar, mas porque abordam relacionamentos abusivos e dão exemplos de como a mulher pode "seguir em frente".

Karina Buhr

Quer discutir política, feminismo e cultura brasileira? Então você precisa ouvir Karina Buhr. A baiana, veterana nesses assuntos, mistura uma batida contagiante com letras cheias de críticas, principalmente sobre o papel da mulher na sociedade. Em 2015, o seu álbum Selvática foi censurado pelo Facebook por exibir os seios da artista na capa. 

Larissa Luz

A baiana Larissa Luz é a cantora que discute movimento negro, feminismo e resistência social em músicas cheias de ritmo. Lançado em 2016, o disco Território Conquistado mistura batidas como dub, rock e reggae, em canções com títulos críticos: Bonecas pretas, Letras negras Descolonizada. Ela é considerada um dos nomes mais criativos da atual cena musical brasileira.  

Foto: Divulgação/Pinterest Karina Buhr